1.1. Justificativa

Segundo o que informa a Associação Brasileira das Empresas de Software (ABES) em parceria com International Data Corporation Pesquisa de Mercado e Consultoria Ltda (IDC), em 2016 haverá um crescimento em 3% no mercado de Tecnologia da Informação no Brasil.

Outras Associações e Instituições também discursam sobre o constante crescimento da área da Tecnologia da Informação (T.I.), como, por exemplo, a Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (BRASSCOM), que em uma entrevista realizada pelo Jornal da Globo, foi divulgado pelo presidente da empresa, Sérgio Sgobbi, que em 2015 a área da Tecnologia da Informação (T.I.) registrou uma alta de mais de 8% em oportunidades de emprego e a tendência para os demais anos é crescer gradativamente.

Além disso, em apresentação ocorrida durante o seminário "Governo e o setor de TI - Garantia de Inovação, Produtividade e Segurança”, em Brasília, a expectativa era de que no segundo semestre de 2015, o setor de TI tivesse um crescimento nos investimentos da ordem de 7% a 7,5%, incluindo hardware, software e serviços.

Essas informações são baseadas em pesquisa feita pelo International Data Corporation (IDC) no mercado de TI do Brasil. Esta mesma pesquisa aponta que a Indústria Brasileira de TI permanece em 7º lugar no ranking mundial e em 1° lugar no Ranking da América Latina em 2015, com um investimento de US$ 2,2 trilhões (crescimento em 9,2% em relação a 2014), sendo que US$ 14,3 bilhões (crescimento de 8,2%) somente no setor Serviços de T.I. e US$ 12,3 bilhões (crescimento em 30,2%) no setor de softwares.

A pesquisa apresentada também trouxe um mapa do investimento em TI no país, no qual a região Sudeste foi a que mais teve participação total nos investimentos em hardware, software e serviços, com 60,67%.

Diante do exposto, é possível perceber que estas pesquisas sinalizam um mercado em ascensão, indicando, dessa forma, a importância da formação de profissionais habilitados a exercer as diversas funções advindas dessa área profissional. A habilitação profissional técnica de nível médio em TÉCNICO EM DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS tem por objetivo proporcionar aos estudantes conhecimentos e práticas que os levem a apropriarem-se de tecnologias numa condição de excelência, articulando conceitos e metodologias, estratégias e avanços técnico-mercadológicos adicionados a novos recursos humanos, a fim de corresponder, de maneira eficiente, a critérios, normas e sistemas específicos presentes nos segmentos desse setor.

Fontes de Consulta:
Associação Brasileira das Empresas de Software. Disponível em www.abessoftware.com.br. Acesso em 15 Ago. 2017.
International Data Corporation. Disponível em br.idclatin.com. Acesso em 15 Ago. 2017.
CENTRO PAULA SOUZA. Missão, Visão, Objetivos e Diretrizes. Disponível em: . Acesso em: 12 Mar. 2015.


1.2 Objetivos

O curso de TÉCNICO EM DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS tem como objetivos capacitar o aluno para:

  • aplicar os fundamentos da computação e da tecnologia de informação de forma a situar os conhecimentos adquiridos durante o curso em um contexto mais amplo;
  • utilizar sistemas operacionais e softwares no apoio ao desenvolvimento de sistemas;
  • empregar fundamentos de redes de computadores e Internet aplicados ao desenvolvimento de sistemas;
  • utilizar lógica de programação e algoritmos na construção de software;
  • utilizar ambientes de desenvolvimento para codificar e depurar programas;
  • efetuar testes de qualidade de software e sistemas;
  • analisar, projetar e documentar sistemas de informação que atendam aos requisitos do negócio;
  • projetar, implementar e utilizar bancos de dados no desenvolvimento de sistemas;
  • utilizar os fundamentos da segurança da informação de forma a permitir a identificação de ameaças e o comportamento preventivo;
  • desenvolver ideias criativas e inovadoras na resolução de problemas computacionais;
  • comunicar-se com eficiência na área profissional, com a utilização da terminologia técnica e/ ou científica e de acordo com os gêneros textuais e modelos convencionados (documentação e redação técnica).


1.3 Organização do Curso
A necessidade e pertinência da elaboração de currículo adequado às demandas do mercado de trabalho, à formação profissional do aluno e aos princípios contidos na LDB e demais legislações pertinentes, levou o Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza, sob a coordenação do Prof. Almério Melquíades de Araújo, Coordenador do Ensino Médio e Técnico, a instituir o “Laboratório de Currículo” com a finalidade de atualizar, elaborar e reelaborar os Planos de Curso das Habilitações Profissionais oferecidas por esta instituição, bem como cursos de Qualificação Profissional e de Especialização Profissional Técnica de Nível Médio demandados pelo mundo de trabalho.

Especialistas, docentes e gestores educacionais foram reunidos no Laboratório de Currículo para estudar e analisar o Catálogo Nacional dos Cursos Técnicos (MEC) e a CBO – Classificação Brasileira de Ocupações (Ministério do Trabalho). Uma sequência de encontros de trabalho, previamente agendados, possibilitou reflexões, pesquisas e posterior construção curricular alinhada a este mercado.

Entendemos o “Laboratório de Currículo” como o processo e os produtos relativos à pesquisa, ao desenvolvimento, à implantação e à avaliação de currículos escolares pertinentes à Educação Profissional Técnica de Nível Médio.

Partimos das leis federais brasileiras e das leis estaduais (estado de São Paulo) que regulamentam e estabelecem diretrizes e bases da educação, juntamente com pesquisa de mercado, pesquisas autônomas e avaliação das demandas por formação profissional.

O departamento que oficializa as práticas de Laboratório de Currículo é o Grupo de Formulação e Análises Curriculares (Gfac), dirigido pela Professora Fernanda Mello Demai, desde outubro de 2011.

No Gfac, definimos Currículo de Educação Profissional Técnica de Nível Médio como esquema teórico-metodológico que direciona o planejamento, a sistematização e o desenvolvimento de perfis profissionais, atribuições, atividades, competências, habilidades, bases tecnológicas, valores e conhecimentos, organizados por eixo tecnológico/área de conhecimento em componentes curriculares, a fim de atender a objetivos da Formação Profissional de Nível Médio, de acordo com as funções do mercado de trabalho e dos processos produtivos e gerenciais, bem como as demandas sociopolíticas e culturais, as relações e atores sociais da escola.

As formas de desenvolvimento dos processos de ensino-aprendizagem e de avaliação foram planejadas para assegurar uma metodologia adequada às competências profissionais propostas no Plano de Curso.


2. Requisitos de Acesso
O ingresso no Curso TÉCNICO EM DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS dar-se-á por meio de processo classificatório para alunos que tenham concluído, no mínimo, a primeira série e estejam matriculados na segunda série do Ensino Médio ou equivalente.

O processo classificatório será divulgado por edital público, com indicação dos requisitos, condições e sistemática do processo e número de vagas oferecidas.

As competências e habilidades exigidas serão aquelas previstas para a primeira série do Ensino Médio nas quatro áreas do conhecimento:

  • • Linguagens;
  • Ciências da Natureza;
  • Ciências Humanas;
  • Matemática.

Por razões de ordem didática e/ou administrativa que possam ser justificadas, poderão ser utilizados procedimentos diversificados para ingresso, sendo os candidatos deles notificados por ocasião de suas inscrições.

O acesso aos demais módulos ocorrerá por avaliação de competências adquiridas no trabalho, por aproveitamento de estudos realizados ou por reclassificação.

 

Alameda Perimetral, s/nº
         Ilha Solteira/SP 
         CEP 15385-000

Cel: (18) 99802-1011
E-mail: e065dir@cps.sp.gov.br

Etec Ilha Solteira - Todos os direitos reservados.
Site desenvolvido por www.acontecenailha.com.br